Voo#3 – EP1: Hortelões urbanos, muito prazer

As hortas orgânicas e os movimentos comunitários da cidade

Durante o desenvolvimento da coleção de Inverno 2019 da TexPrima, muitos insights nos vieram sobre a ligação entre a moda e a natureza e como ela vem influenciando o comportamento de consumo e tendências de moda. Foi por esse caminho que iniciamos as pesquisas do terceiro voo do Primavista.

Logo na primeira reunião, ativamos contato com a Popó, fotógrafa amiga, superengajada nos movimentos de agricultura urbana. Foi assim, tomando café e contando histórias, que elas nos apresentou os coletivos União de Hortas Comunitárias de São Paulo e Associação de Agricultores da Zona Leste.

“Pronto, é pra lá que nós vamos!” 

Traçamos, então, um novo roteiro de investigação para o Primavista, que você pode acompanhar em 3 episódios:

Episódio 1
Hortas orgânicas e os movimentos comunitários da cidade. (estamos aqui)

Episódio 2
Como o movimento orgânico influencia os novos criadores.

Episódio 3
Cocriando organicamente um produto de moda.

De horta em horta

A proposta de apropriar-se de um espaço e conectar a vizinhança faz com que uma enorme rede de saberes se mantenha viva e o estímulo por uma alimentação orgânica e o consumo consciente cresçam cada vez mais. São pessoas de todas as idades, diversas formações e classes sociais unidas pelo mesmo propósito: ocupar o espaço público, atuando de forma coletiva para trazer olhos da cidade de volta para a agricultura, o manejo da terra sustentável e as relações comunitárias.

Atualmente, a União de Hortas Comunitárias conta com 14 hortas em sua lista, todas cultivadas com base nos princípios agroecológicos e permaculturais, sem a utilização de insumos químicos ou venenos. O cultivo é realizado de maneira colaborativa, coletiva e inclusiva e a colheita é compartilhada entre voluntários e comunidade. Nesses espaços também são realizados projetos de educação ambiental. É esse conjunto de características que diferencia as hortas comunitárias das demais, e cria um movimento amigável entre os moradores de cada região.

Sábado de mutirão na Horta da Mooca

Claudia Visoni

Cláudia Visoni é jornalista e agricultora urbana

André Ruopollo é gestor ambiental e agricultor urbano

Mariana Marchesi é publicitária e agricultora urbana

No linhão da ZL

Seguindo rumo à Zona Leste da cidade, chegamos em São Mateus. Lá, visitamos duas importantes hortas comerciais, localizadas nos “linhões” da Eletropaulo.

Foi assim que conhecemos Telma, Sebastiana e Terezinha, mulheres responsáveis por abastecer a região com produtos orgânicos e muita simpatia. Donas de histórias distintas, elas transformaram seus conhecimentos e paixão pelo cultivo da terra em negócio.

Por lá, moradores dos bairros próximos chegam sabendo o que querem e, às vezes, só de ver o cliente, as proprietárias já sabem o pedido. Visitantes, como nós, acabam levando um pouquinho de tudo com a certeza de que irão voltar. E podemos afirmar: chegar em casa e saborear uma rúcula colhida na hora é um verdadeiro privilégio.

Ficou com vontade de conhecer? Inclua no seu roteiro.

Comerciais ou comunitárias, com certeza existe uma horta na sua região. Aqui pertinho da TexPrima, na Casa Verde, acabamos conhecendo a “É Hora da Horta”. Viramos fãs e clientes!

@UniaodeHortasSP

Horta das Corujas:
Av. das Corujas, 39 – Sumarezinho, São Paulo.

Horta do CCSP:
Rua Vergueiro, 1000 – Liberdade, São Paulo.

Horta das Flores:
Av. Alcântara Machado, 2200 – Parque da Mooca, São Paulo.

Horta da USP:
Av. Dr. Arnaldo, 455 – Cerqueira César, São Paulo.

@agricultoreszonaleste

Telma & Sebasiana:
R. Prof. José Décio Machado Gaia, 50, São Mateus.

Horta da Terezinha:
Rua Serafim Dias Machado, 88, São Mateus.

@ehoradahorta

É Hora da Horta:
Rua Frederico Penteado Jr, 308, Casa Verde.

Quer acessar o material completo do Voo 3?

Nele você vai encontrar nossa pesquisa completa,
com cartela de cores e catálogo de estampas.

Baixe o Trend Book do Primavista
2018-07-03T14:57:41+00:00julho, 2018|